notícias
03/09/2011
Jaime Melo é sexto sem segunda marcha na pista mais travada do ano
Jaime Melo Jr.

Num sábado movimentado e dramático na pista de rua de Baltimore, e em uma corrida acompanhada por um público estimado em 150 mil pessoas, Jaime Melo foi sexto colocado, neste sábado (3), na sétima etapa da American Le Mans Series. Além da posição de largada – teve de alinhar em penúltimo no grid geral, decorrência de uma punição nos treinos classificatórios –, o brasileiro teve de lidar com problemas no câmbio da Ferrari F458 Italia da Risi Competizione.

A vitória em Baltimore foi do alemão Wolf Henzler e do norte-americano Bryan Sellers. A dupla do Team Falken Tire, que iniciou a temporada de 2011 sem nunca ter vencido, levou o Porsche 911 GT3 RSR ao primeiro lugar pela segunda vez – ganhou também a quinta etapa, em Mid-Ohio. Dirk Mueller/Joey Hand, dupla do BMW Team RLL que lidera o campeonato, e Jan Magnussen/Oliver Gavin, da Corvette Racing, completaram o pódio em Baltimore.

A punição que relegou Melo e seu parceiro finlandês Toni Vilander à 29ª posição no grid geral foi decorrência de um acidente com o BMW de Patrick Long, da BMW, no treino classificatório. “Eu não tive culpa nenhuma no que aconteceu, só levei a batida, mas a direção de prova decidiu punir os dois carros e a gente foi lá para trás do grid. Decidimos, a partir disso, que o Toni começaria a corrida, ele tem muita experiência de pilotagem em circuitos de rua”.

Vilander foi à pista com dois objetivos bem definidos para o primeiro turno de pilotagem da corrida – evitar os incidentes que costumam ocorrer nas primeiras voltas e conseguir atingir no mínimo a sexta posição na GT. “Eu estava um pouco preocupado com a primeira curva. Fui por fora e alguém rodou à frente do pelotão da GT. Por sorte sobrou um buraco no meio da confusão, justamente do lado de fora, e consegui passar vários carros”, descreveu.

Mantendo-se sempre próximo dos líderes, Vilander assumir o quarto lugar na categoria. Os problemas no câmbio começaram após 25 minutos da corrida. “Eu já sabia que precisaria ter todo o cuidado, não encontrava algumas marchas. Ficava pior a cada volta, em algumas curvas eu não conseguia selecionar marcha nenhuma. Pena, porque a corrida estava caminhando para um bom desfecho, eu me sentia muito confortável com o carro, que estava ótimo”, falou.

Melo assumiu a pilotagem após 46 minutos de corrida, poucos momentos antes da primeira das duas intervenções do safety car na corrida – que aconteceu para que a organização pudesse reinstalar a tampa de um bueiro, que se soltou e ficou solta na pista. “Fiz o que era possível para ganhar posições, mas quando eu peguei o carro a segunda marcha já tinha ido embora. Numa pista travada como a de Baltimore, dá para dizer que é a principal marcha”, comentou.

“Eu tentava minimizar o problema segurando a alavanca com a mão toda vez que reduzia marcha, mas foi muito, muito difícil continuar na pista segurando a alavanca por mais de uma hora. Não tinha outra coisa que eu pudesse fazer. Com curvas tão lentas, ficar sem a segunda marcha foi crucial”, lamentou o brasileiro da Risi Competizione, que chegou a Baltimore motivado pela vitória conquistada duas semanas antes na etapa de Elkhart Lake.

Mesmo com a dupla largando do fim do grid geral, Jaime Melo admitiu ter vivido a expectativa de disputar um lugar no pódio, sobretudo depois dos primeiros 10 minutos de disputa. “Pensei isso, de fato, mas hoje nós não tivemos um carro tão bom. A tração era ruim quando fazia as curvas por fora, por causa do tráfego, também tivemos complicações com o controle de tração, então tinha de controlar isso dosando o acelerador, que não é o ideal”, detalhou.

Jaime Melo manteve-se em quinto até a última volta da corrida, quando foi ultrapassado por Bill Auberlen. “Essa oi mais uma corrida que a gente tem de usar como aprendizado para o que vem por aí. Ainda faltam duas corridas, a motivação da equipe não caiu por causa de hoje. Vamos ver se podemos vencer as etapas de Laguna Seca e Petit Le Mans, que são provas longas, o tipo de corrida em que a gente sempre se dá bem”, finalizou.

Depois de 71 voltas válidas pela categoria GT, o resultado da etapa de Baltimore foi o seguinte:

1º) Wolf Henzler/Bryan Sellers (ALE/EUA)
Team Falken Tire, Porsche 911 GT3 RSR, 2h02min20s105

2º) Joey Hand/Dirk Mueller (EUA/SUI)
BMW Team RLL, BMW E92 M3, a 1 volta

3º) Jan Magnussen/Oliver Gavin (DIN/ING)
Corvette Racing, Chevrolet Corvette ZR1, a 1 volta

4º) Bryce Miller/Sascha Maassen (EUA/ALE)
Paul Miller Racing, Porsche 911 GT3 RSR, a 1 volta

5º) Dirk Werner/Bill Auberlen (ALE/EUA)
BMW Team RLL, BMW E92 M3, a 1 volta

6º) Jaime Melo/Toni Vilander (BRA/FIN)
Risi Competizione, Ferrari F458 Italia, a 1 volta

7º) Tommy Milner/Olivier Beretta (EUA/MON)
Corvette Racing, Chevrolet Corvette ZR1, a 1 volta

8º) Darren Law/Seth Neiman (EUA/EUA)
Flying Lizard Motorsports, Porsche 911 GT3 RSR, a 3 voltas

9º) Johannes van Overbeek/Scott Sharp (EUA/EUA),
Extreme Speed Motorsports, Ferrari F458 Italia, a 3 voltas

10º) Guy Cosmo/Ed Brown (EUA/EUA),
Extreme Speed Motorsports, Ferrari F458 Italia, a 3 voltas

11º) Patrick Long/Jörg Bergmeister (EUA/ALE)
Flying Lizard Motorsports, Porsche 911 GT3 RSR, a 15 voltas

12º) PJ Jones/Rocky Moran Jr. (EUA/EUA)
Jaguar RSR, Jaguar XKR, a 70 voltas

13º) Bruno Junqueira/Kenny Wilden (BRA/CAN)
Jaguar RSR, Jaguar XKR, a 71 voltas

A classificação da GT na American Le Mans Series é a seguinte: 1º) Dirk Mueller/Joey Hand, 124 pontos; 2º) Oliver Gavin/Jan Magnussen, 99; 3º) Bill Auberlen/Dirk Werner, 88; 4º) Wolf Henzler/Bryan Sellers, 77; 5º) Jaime Melo/Toni Vilander, 72; 6º) Jörg Bergmeister/Patrick Long, 51; 7º) Olivier Beretta/Tommy Milner, 49; 8º) David Murry/Anthony Lazzaro, 38; 9º) Seth Neiman, 37; 10º) Scott Sharp/Johannes van Overbeek, Andy Priaulx e Marco Holzer, 30.

04/09/2011 - Texto: Luciano Monteiro - (45) 9912-7040 - Fotos: Regis Lefebure
Legenda: Jaime Melo e Toni Vilander, com a Ferrari da Risi Competizione, tiveram uma corrida problemática em Baltimore

Fonte: Grelak Comunicação